PT | EN

Publicidade paga no Facebook

O Facebook é hoje uma rede social global. Visitado diariamente por milhões de pessoas de todo o Mundo, esta rede social pode ser um excelente parceiro na hora de promover o seu negócio. Neste artigo explicamos como.  

10 agosto, 2019 webhouse.pt webhouse.pt webhouse.pt

O Facebook é hoje uma rede social global. Visitado diariamente por milhões de pessoas de todo o Mundo, esta rede social pode ser um excelente parceiro na hora de promover o seu negócio. Neste artigo explicamos como.

 

Segmentação da audiência

A importância de a sua empresa estar no Facebook é, hoje, inquestionável. No entanto existem mais beneficios além dessa simples presença. Uma das grandes vantagens da publicidade no Facebook consiste na possibilidade de segmentar a sua audiência. Isto significa que pode escolher o perfil de pessoas a quem gostaria de mostrar a sua publicidade. Estão disponíveis centenas de critérios, tais como a idade, o local onde vive, as habilitações literárias e os interesses da pessoa. Por exemplo, poderá escolher mostrar o seu anúncio apenas a pessoas entre os 30 e os 40 anos, do sexo masculino, com curso superior e que tenham interesse por desportos motorizados. Ao combinar vários critérios consegue filtrar de forma muito precisa o público ao qual deseja chegar.

 

Preço da publicidade

Na verdade, não existe nenhum preço fixo pré-estabelecido para fazer publicidade no Facebook. Este é inteiramente flexível e proporcional ao número de pessoas que pretende atingir. Assim, pode ajustar o valor que pretende gastar sabendo que este terá impacto direto no número de utilizadores do Facebook que verão o seu anúncio. Este valor costuma ser estipulado por dia. Ou seja, poderá escolher, por exemplo, despender 5€ por dia, durante 7 dias. Assim, o valor total da sua campanha será de 35€ e a sua publicidade atingirá um determinado número de utilizadores. Esta previsão do número de utilizadores será mostrado no momento de ativação da sua campanha, para que possa ter uma noção do que permite o valor que está disposto a investir.

 

Formatos de publicidade

A publicidade no Facebook pode assumir diversos formatos que são adequados a diferentes objetivos.

Um objetivo potencial pode ser a promoção de um determinado produto específico. Por exemplo, supondo que tem uma loja online que vende equipamentos de tecnologia poderá querer desenvolver uma promoção num desses equipamentos específicos. Assim, poderá construir um post com algumas imagens do produto, descrição e principais características do mesmo e uma ligação para os interessados poderem fazer a sua aquisição.

Outro interesse possível de uma promoção no Facebook poderá ser dar a conhecer a sua empresa, e aquilo que faz, a um grupo de utilizadores que potencialmente possam ter interesse. Neste caso fará sentido escrever um post com uma apresentação sucinta e algumas fotos.

Estes dois exemplos são apenas dois casos do largo leque de possibilidades de publicidade que existe no Facebook. Um cuidado transversal que deve ter, para que a sua campanha tenha sucesso, é o de incluir pouco texto no seu post. Está devidamente estudado pelos profissionais do marketing, que a quantidade de texto num post de uma rede social é inversamente proporcional ao número de utilizadores que reage ao mesmo. Ou seja, quando menos palavras puder utilizar, melhor!

 

Conclusão

A ferramenta de publicidade no Facebook poderá ser um importante aliado do seu negócio. A possibilidade de especificar o público a que se destina, bem como o caráter flexível dos custos envolvidos, são duas grandes vantagens. Deverá sempre ter em atenção que deve incluir o menor texto possível em cada publicidade, pois aumenta as possibilidades de os utilizadores interagirem com a sua publicação.

A internet desenvolve-se e renova-se ao micro segundo, tornando a verdade de agora, informação desatualizada daqui a minutos, horas ou dias. Daí que todas as informações presentes neste artigo são consideradas válidas e atualizadas à data da sua publicação.

Artigos Recentes

Tenho uma ideia para uma app!

Na era digital em que vivemos a criatividade é mais estimulada do que nunca. Novas ideias surgem todos os dias. No entanto a implementação destas fica muitas vezes adiada ou acaba mesmo por nunca se realizar. Neste artigo iremos explicar como pode fazer a sua ideia de uma app sair da sua cabeça e tornar-se uma realidade.   O mercado das apps móveis O volume de negócios anual gerado pelas aplicações móveis é extraordinariamente avultado e tem vindo a aumentar nos últimos anos. Cada vez mais as pessoas utilizam o seu smartphone para várias tarefas do dia a dia. Assim, não é de estranhar que a crescente oferta de aplicações que permitem expandir as funcionalidades de um smartphone, acabem por captar o interesse das pessoas.   Analisar a sua ideia O primeiro passo que deve dar ao ter uma ideia para uma aplicação móvel é o de estudar o mercado. Em primeiro lugar para perceber se há aplicações semelhantes. Em segundo lugar para tentar perceber o valor e potencial retorno de uma aplicação como a que está a pensar. Existem várias estratégias que poderá usar para ganhar dinheiro com aplicações móveis que deve analisar previamente. Apenas através desta análise é sensato ponderar avançar para a fase de implementação que irá ter alguns custos e exigir um investimento inicial.   Implementar uma ideia Se tem uma ideia para uma aplicação de smartphone mas não dispõe de conhecimentos a nível de programação, o ideal é estabelecer uma parceria com uma empresa que o possa ajudar nesse sentido. A Web House é o exemplo de uma empresa que pode tornar a sua ideia uma realidade. A vasta experiência da sua equipa de programadores permite abraçar qualquer projeto e implementar uma ideia tal como a imagina. Por outro lado, se tem alguns conhecimentos na área da programação de aplicações ou se já fez alguma, poderá optar por avançar para a sua implementação, por si mesmo. Convém, no entanto, referir que o desenvolvimento de uma aplicação compreende normalmente competências em diferentes áreas, tais como design, programação e bases de dados. Para tal, a maior parte das vezes é necessária a intervenção de mais do que uma pessoa no seu desenvolvimento. Assim, é pouco provável que, mesmo que consiga desenvolver alguma parte por si, que não precise da ajuda adicional de alguém.   Conclusão Se tem uma ideia para uma aplicação deverá começar por fazer um estudo prévio da sua utilidade e potencial de rendimento. Só depois deste deve avançar para a parte do desenvolvimento. Nesta fase poderá optar por desenvolver por si próprio ou estabelecer uma parceria com uma empresa com experiência no desenvolvimento de aplicações. Se tiver conhecimentos a nível de programação poderá fazer sentido optar pela primeira opção. Deste modo conseguirá poupar alguns custos iniciais. Apesar dessa opção, o mais provável é que não disponha dos conhecimentos técnicos para a programação de uma aplicação e, nesse caso, deverá optar pela segunda opção e procurar uma empresa que possa auxiliá-lo na tarefa.

Vale a pena comprar uma trotinete elétrica?

Se anda pelas maiores cidades do país provavelmente já reparou na abundância destes veículos de 2 rodas na rua. Várias empresas estão a explorar o aluguer ao minuto deste tipo de veículos. Apesar desta opção muitos utilizadores começam a ponderar a compra de uma trotinete para uso pessoal, em vez da utilização das trotinetes partilhadas. Neste artigo iremos analisar os prós e contras de adquirir o seu próprio veículo.   Utilidade das trotinetes elétricas As trotinetes elétricas são particularmente utéis para quem realiza pequenas deslocações diárias dentro da cidade. Principalmente em cidades onde haja ciclovias este meio de transporte pode ser bastante comodo, rápido e seguro. Para uma deslocação de curta distância dentro da cidade, o uso do automóvel pode não ser a melhor opção. O transito e dificuldades de estacionamento podem tornar a trotinete elétrica o melhor meio de transporte. Com a trotinete mais facilidade de circulação e o seu estacionamento não é um problema pois poderá carregá-la consigo para onde quer que vá.   Versatilidade das trotinetes A maior parte das trotinetes elétricas existentes no mercado são dobráveis. Isto permite que sejam facilmente transportadas mesmo quando não estão em uso. Por exemplo quando chega ao seu emprego, poderá dobrá-la e transportá-la para junto do seu posto de trabalho. Não necessita de a deixar na rua e assim poder incorrer em furtos. Existem ainda soluções de transporte das mesmas através de mochilas. Esta opção pode ser particularmente útil se usar o comboio, por exemplo. Neste caso poderá transportar a sua trotinete comodamente para onde quer que vá.   Preços de aquisição O preço das trotinetes elétricas tem vindo a descer uma vez que estas estão cada vez mais populares e existe mais oferta. Hoje é possível adquirir uma boa trotinete elétrica, com autonomia até 6/7 quilómetros com menos de 200€. O que diferencia a maior parte dos modelos é a capacidade da bateria e o material de construção. As mais leves tendencialmente têm um preço superior, quando comparadas com modelos mais pesados. Ainda assim os modelos mais pesados são perfeitamente transportáveis sem grandes problemas.   Conclusão Se faz deslocações curtas frequentemente dentro da cidade a aquisição de uma trotinete elétrica pode ser uma boa opção. Com esta ganhará flexibilidade e poderá poupar a longo prazo. O investimento inicial será rapidamente diluído ao longo do tempo. Se não tem a certeza se esta opção é a melhor para si, pode sempre começar por experimentar as trotinetes partilhadas, através da respetiva aplicação móvel, que se encontram espalhadas pelas maiores cidades portuguesas.

Porque devo ter uma palavra passe segura?

Com certeza já se tentou registar nalgum website e se sentiu incomodado por ter de escolher uma palavra passe cheia de requisitos, com letras minúsculas, maiúsculas, um carater especial, um número e, no mínimo, 6 carateres de comprimento. Neste artigo iremos compreender e analisar a necessidade destes requisitos.   A fragilidade de uma palavra passe Se pensar bem, uma grande quantidade de informação importante e sensível da sua empresa e da vida pessoal está à distância de uma palavra passe. Um desconhecido que, por algum motivo, conheça esta palavra, passará a ter acesso a toda a informação acima descrita. Esta poderá estar a proteger toda a sua comunicação via e-mail, os ficheiros do seu computador, o acesso a um servidor e a bases de dados sensíveis, entre outros. Deverá pensar numa palavra passe como uma chave de sua casa. Se a segurança da fechadura for fraca, será mais fácil uma pessoa com más intenções invadir o seu espaço. Da mesma forma, uma palavra passe considerada fraca será uma falha de segurança grave na sua empresa. Considera-se uma palavra passe insegura, uma palavra que seja fácil de adivinhar. Por exemplo o ano do nascimento da pessoa, um apelido, o nome da cidade onde se encontra a empresa, entre outras. Todas estas são palavras que um atacante tentará utilizar, pelo que, deve evita-las a todo o custo para proteger a sua empresa de ataques informáticos.   Ataques "brute force" Além de experimentar palavras passes evidentes, uma pessoa mal-intencionada que tente penetrar no seu sistema, poderá também realizar aquilo que se chama um ataque "brute force". Este consiste em experimentar combinações de carateres de forma sucessiva. Por exemplo, pode começar com a palavra "aaaaa", depois testa "aaaab", depois "aaaac" e assim sucessivamente. É precisamente para combater este tipo de ataques que surgem os requisitos de palavra passe com que iniciamos este artigo. Se esta contiver apenas letras minúsculas serão menos combinações possíveis. O simples adicionar de um número, já aumenta exponencialmente o número de combinações de carateres possíveis. Ao colocar também uma letra maiúscula e um carater especial, dispara o número de combinações. Com os requisitos de palavra passe descritos anteriormente consegue fazer-se com que o número de combinações possíveis seja extraordinariamente elevado para ser viável tentar um ataque por "brute force".   Conclusão Uma palavra passe pode ser o único meio de proteção de informação muito valiosa para a sua empresa ou vida pessoal. Assim, não deve poupar esforços para garantir que a sua palavra passe é segura. Uma palavra passe segura é uma palavra que não seja evidente de adivinhar e que seja complexa o suficiente para não ser viável um ataque "brute force". Para isso deverá utilizar palavras com, no mínimo, 6 carateres e esta ser constituída por letras maiúsculas, minúsculas, números e carateres especiais. Desta forma será praticamente impossível para um atacante, adivinhar a sua palavra passe. Lembre-se que a segurança dos sistemas informáticos começa nos utilizadores e são atitudes descuidadas destes que estão, muitas vezes, na origem de ataques informáticos de consequências severas.

Proteja a sua empresa contra ransomware

Nos dias que correm praticamente toda a atividade de uma empresa passa por meios informáticos. Neles reside um vasto conjunto de informações imprescindíveis para o seu negócio. O ramsomware pretende explorar a dependência destas informações para a continuação de um negócio.   O que é o ransomware? O ransomware consiste em software malicioso cujo objetivo é impedir o acesso dos utilizadores infetados aos seus ficheiros. No contexto empresarial tal situação pode ter consequências catastróficas, uma vez que esta não pode prescindir de todas as informações contidas nos seus sistemas informáticos. Normalmente este tipo de infeção é acompanhada de algum tipo de "pedido de resgate" no qual é exigida uma soma á vítima, para que volte a ter acesso aos seus ficheiros. Regra geral esta soma deverá ser paga em bitcoin tornando assim a transferência não rastreável. O comportamento mais habitual deste tipo de vírus é o de encriptar todo o conteúdo do disco. Ou seja, todos os ficheiros ficam elegíveis, a não ser que seja fornecida a chave de desencriptação. Esta chave é assim usada como troca, para incitar o utilizador a fazer o pagamento exigido, na expetativa de que o atacante envie essa chave e este possa recuperar todos os seus ficheiros.   Formas de ataque As principais formas de ser infetado com este tipo de malware são as mesmas que as da infeção por vírus informáticos. Basicamente as 2 maiores portas de entrada no seu sistema são o e-mail e a visita a sites de origem duvidosa. O e-mail é a porta de entrada principal da sua empresa para o Mundo. Assim, não é de estranhar que seja uma das vias mais utilizadas para ataques. Deve sempre ter cuidado com anexos ou ligações que estejam no corpo dos emails que recebe. Não deve executar nem clicar em ligações de remetentes desconhecidos ou que não esteja à espera. A navegação em sites de origem duvidosa pode, também, ser o motivo para ser infetado por ransomware. Quer seja através da transferência e execução de algum ficheiro, quer seja através da exploração de alguma vulnerabilidade do seu sistema, pode ver o seu computador tomado por um vírus deste tipo.   Como se proteger Um dos requisitos essenciais para se proteger a sua empresa de ataques informáticos é a instalação de um antivírus no seu sistema. Desta forma terá já uma camada de proteção caso algum software malicioso infete o seu sistema. No entanto, os softwares antivírus não são infalíveis e podem oferecer uma proteção limitada para novos vírus. Assim é fundamental o aspeto humano, ou seja, os hábitos e ações do utilizador. Comportamentos de risco como os enunciados anteriormente deverão ser evitados ao máximo para diminuir as probabilidades de sofrer uma infeção por vírus informáticos. Cabe assim aos gestores das empresas garantir que todos os colaboradores adotam comportamentos seguros nos seus computadores, uma vez que, a falha de apenas um deles, pode comprometer toda a organização.

Alojamento dedicado VS Alojamento partilhado

Se pretende desenvolver um website para o seu negócio, irá deparar-se com a decisão expressa no título deste artigo. Existem vantagens e desvantagens em cada opção que analisaremos neste artigo.   Publicação de um website A publicação de um website na Internet contempla 3 fases principais: o seu desenvolvimento, o alojamento e a sua manutenção ao longo do tempo. A primeira fase compreende toda a programação e organização de conteúdos do website. Além disso, o seu design, escolha de cores e aspeto gráfico fazem parte desta fase também. O alojamento contempla as tarefas de configuração do servidor e domínio para que o website fique alojado (guardado) num servidor na Internet. Desta forma este fica publicado e, consequentemente, acessível a qualquer pessoa que digite o seu endereço no browser. Por fim, a fase de manutenção diz respeito ás atualizações que vão sendo necessárias fazer ao longo do tempo, para manter o website com informação atualizada. Adicionalmente a atualização das plataformas/linguagens de programação envolvidas, pode também ser uma necessidade, para corrigir eventuais bugs ou falhas de segurança encontradas.   Alojamento na Internet Para poder alojar o seu website na Internet necessita de um servidor. Um servidor não é mais do que um sistema informático de alta capacidade, no qual estão guardados websites, que são disponibilizados em permanência na Internet. Uma das opções com que se depara ao consultar os preçários e condições de uma empresa que preste este serviço é a escolha entre alojamento dedicado e partilhado. O alojamento dedicado consiste num servidor que fica apenas com o seu website guardado. Assim todo o hardware é para seu uso exclusivo. Normalmente esta situação traduz-se numa melhor performance do website, nomeadamente mais rapidez de carregamento, bem como, a possibilidade de um maior número de acessos em simultâneo. Por outro lado, o alojamento partilhado diz respeito a um servidor que é partilhado por múltiplos clientes/websites. Ou seja, o seu website partilha recursos com outros websites. Neste caso é de esperar um tempo de carregamento maior e o número de acessos em simultâneo é mais limitado. Dado o exposto acima, normalmente opta-se pelo alojamento dedicado quando um website tem um tráfego expectável elevado. Por exemplo, se está a desenvolver um site de notícias destinado ao público em geral, poderá ser acertado escolher um alojamento dedicado. Devido ao caráter genérico do website, este poderá ser acedido por um grande número de pessoas. Por oposição, se estiver a desenvolver um website institucional, cujo tráfego esperado seja baixo, deverá optar por um alojamento partilhado. A escolha que fizer terá impacto nos custos envolvidos. Como seria de esperar, o alojamento dedicado é bastante mais dispendioso do que o alojamento partilhado. De acordo com o tráfego expectável do website, escolhe-se assim qual poderá ser o mais adequado, tendo em conta que para websites de baixo tráfego, não valerá a pena aumentar significativamente os custos.   Conclusão Para alojar o seu website será confrontado com a opção de escolha entre alojamento dedicado ou partilhado. A principal diferença entre ambos é a performance e capacidade de acessos em simultâneo que suporta. No alojamento dedicado tem um hardware destinado apenas ao seu website, que não é partilhado com mais nenhum. Por outro lado, no alojamento partilhado, este é dividido por diversos websites. Assim, no segundo caso, é de esperar que a performance do seu website seja inferior em relação à primeira situação.
2019 Webhouse.pt | Todos os direitos reservados.
Política Privacidade | Resolução de Conflitos | Uso de Cookies
Livro Reclamações
Criado com  por Webhouse.pt
Contacto no Whats App
Eu aceito
Este website utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao prosseguir com a navegação, está a concordar com a sua utilização. Saiba mais